11.14.2017

Diários de Unaion - O significado de Sarah e do mundo maior


Por estes dias ando perdido por terras de Unaion onde conheci a minha companheira de todos os dias, Sarah. Hoje este dia é para ela e para o que ela representa na vida das pessoas.
As homenagens no mundo dos símbolos ficam para os que já partiram, mas nunca se esquecem os Mestres, que vivos, continuam a  contaminar e incendiar benignamente o mundo à sua volta. Sarah é a montanha intermédia que une os grandes desníveis de todas as outras montanhas. Esconde-se por entre as fendas mal preenchidas de montanhas e vales imensos, reaparecendo ao nascer do sol acenando a todos com as boas novas de uma nova oportunidade de viver que cada novo dias nos trás.
Alimenta o espírito dos descrentes, faz ponte com as almas que deixaram de acreditar que um dia tiveram tempo e procura o amor em cada ser vivo que encara a fé como destino.

Escolheu ser diferente percebendo sempre que a diferença já é banal e que só a superação pode, agora, ser o caminho.

Sarah tem medo de perder o rumo porque escolheu viver sem ele, teme pelos que ama porque sabe que o amor é raro e demora a ser conquistado, anda perdida no tempo porque sabe que precisa dele. Por outro lado é luz na vida dos que toca, é caminho nos que a escolhem para companheira de jornada, é inspiração aos mundos simbólicos em que flutua.

Hoje, de forma direta, em nome do mundo que a rodeia, lembro-lhe que o mundo não espera por ela, mas ao contrário dos seres humanos banais, desespera por ela. Estás destinada a um mundo maior. Resta saber qual vais escolher...

8.29.2017

Perdidos e Achados – Diários de Geray – Parte III


Na vida de um Cavaleiro do Poder habituamo-nos a perder e ganhar. Há uma altura em que já nem sabemos muito bem qual a diferença entre os dois mundos. Há derrotas que nos levam a conquistas maiores pelas aprendizagens que nos permitiram e vitórias que se limitaram a adiar o inevitável. Mas mais que as derrotas e vitórias no campo de batalha, o que mais custa são os amigos, parceiros, cúmplices e confidentes que somos obrigados a ver partir ou de quem perdemos o rasto. A velocidade a que passam na nossa vida levam a que ao fim de algumas épocas anuais nos resguardemos cada vez mais ao ponto de nos mecanizarmos, só para disfarçar o sofrimento que não queremos admitir. Felizmente, para a maior de nós, nem há tempo para respirar, e assim o luto acaba por nem existir e o sentimento de perda acaba por ficar amordaçado.

São colocadas centenas, milhares de pessoas no nosso caminho, são dezenas os refúgios e territórios que abraçamos, são imensas e incontáveis as vidas que vivemos. Ao fim da jornada parece que só temos tempo para a nossa solidão. 

Por estes dias em Geray, fui visitar o Mestre Viare Ferdi pouco antes de regressar a casa. Amigo de longa data, Viare havia abandonado a sua jornada como Mestre Cavaleiro do Poder. Sem por em causa a sua alma de viajante, dedicava os seus dias à gestão do Templo do Refúgio dos Nobres de Outrora. Este era um Templo onde todos os Cavaleiros recorriam quando queriam voltar a encontrar alguém, contactar um antepassado em busca de aconselhamento espiritual ou saber informação sobre o paradeiro de alguém importante das suas relações. Só os Mestres Aprendizes podiam recorrer ao Templo e apenas para questões pessoais. Estavam proibidos de recorrer ao Templo como auxílio às suas missões. Era uma espécie de último privilégio que nos era dado, já que abdicávamos da maior parte da nossa vida pessoal, fruto das nossas responsabilidade e tarefas.

No centro do Templo ficava o Espelho de Água dos Nobres de Outrora onde através da meditação guiada por Mestre Viare tentávamos descobrir as respostas que procurávamos.

Fui sozinho e ao contrário do que possam pensar não fui à procura de nenhuma resposta. O meu objetivo era simples, rever Viare e recordar as nossas aventuras.

À entrada do Templo fui recebido por um dos ajudantes templários de Viare que me levou até ele. Qual não foi a minha surpresa quando o avistei com Monterius, minha antiga aprendiz e agora Mestre Aprendiz.

Sentamo-nos os três à volta de uma imponente mesa redonda em carvalho maciço com a companhia de hidromel. A conversa acabaria por redondar no motivo porque nos encontrávamos ali. O meu era claro, o de Viare, o de sempre, o de Monterius, mais nebuloso, acabou por surgir. De uma forma ou de outra todos recorremos ao Espelho de Água dos Nobres de Outrora para procurar algo ou alguém que de alguma forma achamos que vai preencher um vazio qualquer que o tempo de encarregou de destapar. Monterius nunca revelou de quem veio à procura ou do que veio à procura, mas questionou-me:

- Nunca te questionaste porque é que algumas pessoas partiram sem deixar rasto? Nunca te penitenciaste pelo amigo de sempre que um dia passa no teu caminho e finge que não te conhece? Nunca te perguntaste porque o tempo não permitiu que continuasses a jornada junto daqueles porque quem te apaixonaste? Nunca quiseste voltar a encontrar quem ficou perdido?

- Milhares de vezes, minha boa amiga, milhares de vezes…. E vou continuar a perguntar. Mas ao fim de tantas épocas anuais aprendi que entre perdidos e achados, só encontramos realmente quem nunca perdemos. O tempo e a distância podem ser detalhes dolorosos, mas o caminho continua a ser mais importante do que o fim a que ele nos leva. É como o caminho de hoje, levou-me a que te voltasse a encontrar. Eu acredito na generosidade do Universo e confio, que por cada caminho que eu ajudar a abrir, outros se abrirão e o meu…. será um deles…. E mesmo que no fim não sobre caminho algum, saberei sempre que este era o caminho que eu havia escolhido.

8.28.2017

Escolhes o Destino ou a Liberdade - Diários de Geray - Parte II





Nas montanhas de Geray existe um local especial onde os Mestres da Ordem dos Cavaleiros do Poder levam os seus aprendizes para aprenderem a diferença entre a Liberdade e o Destino. À partida a diferença parece clara, objetiva e até básica, mas seria tão linear assim esta diferença.

Falamos das quedas de água de Xuen. Bem no coração de Geray, ergue-se uma enorme fenda com mais de 200 metros, por onde descem de forma vertiginosa as águas do Rio do Caldeirão Nascente.

Nas quedas de água de Xuen os aprendizes são desafiados a descobrir se as escolhas que efetuaram são de facto o seu destino. São colocados perante a pergunta: O teu destino trouxe-te até aqui. Continua a ser este o teu destino?.

Perante a dúvida, o aprendiz então escolhe se prefere subir ou descer a queda de água sem o apoio de qualquer instrumento. A subida é vagarosa e exigente. A pressão da água nas costas e cara pode ser impossível de aguentar e por vezes o aprendiz acaba por ceder e cair, pondo em risco a sua vida. A descida é vertiginosa. O aprendiz tem segundos para escolher o ângulo certo para o mergulho para o precipício. Um salto mal calculado para o abismo pode significar o último momento de vida.

Embora todos os aprendizes soubessem da existência de Xuen e o ensinamento que pretendia transmitir, nunca ninguém conheceu alguém que tivesse completado a prova ou mesmo o que significava a escolha de escolher subir ou descer a tenebrosa queda de água.

Era o dia de Yber, Juny e Tartarus testarem a sua sapiência. Yber era sobretudo instintivo. Leal e astuto era ao mesmo tempo extremamente indeciso sobre pressão. Tartarus era uma líder e muito incisiva, mas baqueava na altura de ter de engendrar um plano. Por fim, Juny, mais nova dos três, era a mais pura e comunicativa. Na hora da decisão o coração falava sempre mais alto.

Pusemo-nos a caminho de Xuen. Era meio dia de caminho por entre trilhos escondidos e subidas assombrosas. Paramos para comer num sopé de uma colina e após algum descanso seguimos caminho. Por fim chegávamos à imponência de Xuen.

Tartarus e Yber eram meus aprendizes. Juny era aprendiz de Lyn. Era a hora da verdade. Por muito treino físico, mental e espiritual que tivessem, nenhum deles havia treinado para aquele momento. Foram então colocados perante a questão: O teu destino trouxe-te até aqui. Continua a ser este o teu destino?.

Yber respondeu: Mestre devo responder à pergunta ou escolher qual das tarefas devo efetuar?

Ninguém lhe respondeu. Perante o silêncio, Tartarus decide agir e escolhe o mergulho no abismo. Juny, perante o silêncio dos Mestres e a decisão do instante de Tartarus, olha em pânico para a sua Mestre, mas em resposta obteve mais silêncio. Yber, inspirado por Tartarus, decide escalar a queda de água. Faltava Juny, a menos apta de todos em termos físicos. Tartarus mede o impacto do mergulho, mas prefere confiar nos seus sentidos. Fecha o olhos, controla a respiração, funde-se com os elementos e deixasse levar pela velocidade alucinante da água até ao mergulho final nas profundezas do Lago de Xuen. Por sua vez, Yber encontra uma espécie de túnel entre as saliências da rocha atrás da queda de água e , confiando nos seus instinto, elevasse rocha acima aproveitando todos os pontos secos ou menos húmidos para evitar a queda no abismo. Já a meio do caminho, não há mais túnel improvisado e é impossível ver qualquer tipo de passagem, a água e a sua torrente interminável não o permitiam. Tinha duas hipóteses, confiar nos seus sentidos e tentar uma escalada suicida ou desistir mergulhando nas águas de Xuen. Após quatro tentativas, acabou por ceder e deixar-se levar de volta às águas superficiais de Xuen. Juny paralisou, ajoelhou-se perante a sua Mestre e pediu perdão pelo seu fracasso.

Nesta altura, tanto eu como Lyn retiramo-nos. Tínhamos convidado Mizegui para nos auxiliar nesta prova. Dos atuais Mestres, era o que mais aprendizes havia levado a Xuen e o mais sábio nas suas avaliações. Pelo menos era o que achávamos.

Mizegui voltou a perguntar: O teu destino trouxe-te até aqui. Continua a ser este o teu destino?.

Tartarus, meio confusa respondeu: Tenho muita dificuldade em acreditar no destino. Estou aqui quase por coincidência, mas hoje, se este era o meu destino, é porque quero.

Entretanto, Mizegui virou o seu olhar em direção a Yber. Este tenso, lá responde: Não sei bem o que dizer Mestre. Não sei se a escolha que fiz era a correta, mas garanto-lhe que foi inteiramente minha. E acho que se estou aqui, este continua a ser o meu destino. Mas estou confuso Mestre.

Por fim chegava novamente a vez de Juny. Juny, sem grandes divagações, desta vez foi direta ao assunto: - Não vou mentir. Fui fraca. Foi minha escolha estar aqui, mas não era a minha escolha paralisar. Agora Mestre, não sei se é destino ou maldição, o que aconteceu foi o que aconteceu.

Mizegui sorriu para os três e disse: Na Ordem dos Cavaleiros do Poder não acreditamos em destino. Aliás o destino é só uma desculpa para não nos sentirmos banais e escondermos a nossa culpa, a nossa inação. Na Ordem acreditamos em Liberdade, na capacidade de cada um com os seus defeitos, qualidades e ofícios ser capaz de escolher em cada momento com quem quer estar, como quer estar e onde quer estar. O caminho da Redenção, da vossa Redenção é o caminho da vossa Liberdade e não o destino vazio.

8.27.2017

Uma ponte entre mundos... - Diários de Geray - Parte I




Era o fim da época seca. Estávamos a caminho de casa, mas decidimos passar uma temporada pelas montanhas de Geray antes de voltarmos às nossas lides do dia a dia. Por esta altura são as comemorações da época da Noite Profunda, altura da época anual onde as populações de Geray homenageiam os seus mortos.

Entre as muitas iniciativas destacava-se o Ritual de Mundanis, praticado na denominada Ponte entre Mundos, uma antiga ponte em granito maciço, imemorial, sem grandes certezas sobre quando havia sido erigida. O ritual consistia num exercício de meditação grupal em que os habitantes da comunidade de Misai (aldeia onde ficava a ponte) concentravam a sua energia benigna numa visão imaginária coletiva de fortalecimento das fundações da ponte. Na sua mente cada um via uma espécie de aura azul a sair do seu corpo que depois era canalizada para uma das vigas ou fundações da ponte. A harmonia era tal que cada participante, mesmo sem falarem entre si, conseguiam canalizar a sua energia benigna para um ponto diferente da ponte, sem que as diferentes energias alguma vez se interrompessem ou chocassem entre si. Este exercício significava deixar seguro um dos caminhos possíveis entre este e o outro mundo, o Mundo Eterno, que habitantes de Geray acreditavam ser a última morada. 

Este era um ritual pagão, não reconhecido pela Ordem dos Cavaleiros do Poder, mas como todos os Mestres, tínhamos sido ensinados a respeitar cada um, cada comunidade, cada território nas suas crenças, formas de estar e formas de interpretar a sua própria realidade.

Hoje o nosso destino seria Misai e o Ritual de Mundanis. Nesta viagem estava eu, Mestre Lyn e os aprendizes Yber, Juny e Tartarus.

Chegamos bem cedo para podermos assistir a tudo sem causar alvoroço entre os locais. Sentamo-nos discretamente numa falésia com ampla visão para a ponte e deixamo-nos envolver pelas indicações do Feiticeiro-Mor de Misai. Seguimos todos os passos que nos foram sendo debitados pela sua voz, e envolvemo-nos espiritualmente naquele momento de existência maior, em que homens e mulheres se esquecem dos detalhes e se acrescentam uns aos outros em busca de algo maior, sendo eles o todo de algo maior, a Humanidade que é capaz de despertar em cada um de nós o melhor que somos e queremos ser.

Exercícios de meditação coletivos eram normais entre Mestres, mas aquele estava para além da nossa compreensão. Pessoas de todos os credos, de todas as castas da sociedade, misturam-se entre si, esquecendo passados, presentes e futuros. O que contava era a tarefa ancestral que estavam ali para realizar em nome de uma edificação maior.

Ao fim de algumas horas acabamos o exercício. A imagem mental que todos tínhamos tido das várias energias a entrelaçarem-se de forma perfeita terminando com uma visão da ponte protegida por uma imensa aura azul clara arrebatou-nos. Era em momentos como estes que percebíamos que continuávamos a ser pequeninos e que o caminho ainda estava todo por fazer. 

No final dirigimo-nos ao Feiticeiro-Mor para lhe prestarmos o nosso tributo. Abençoou-nos aos cinco e ficamos algum tempo a conversar sobre o significado do Ritual de Mundanis. Sem revelar o que falamos, há uma mensagem que nos deixou e que passo a transcrever, retirada diretamente do Livro dos Elementos:

- Entre este mundo e o outro há muitas passagens. Alguns nunca as verão, outros nunca saberão da sua existência, uns poucos farão da sua busca a eterna caminhada. Por fim, um conjunto ínfimo de nobre guerreiros perceberá que cada um é a passagem, que ele é ponte entre mundos. Por fim sobra uma escolha, quando é que deixaremos o outro passar a ponte?.

8.23.2017

O detalhe que distorce.... - Diários das Terras de Cavaleiros - Parte IV




Os nossos dias por Brar estavam a terminar, era altura de voltar a Ethérnia. Mas antes não podíamos deixar de pernoitar em Onis de Brar, também conhecida como a Aldeia do Manto Eterno porque passava mais de metade de uma época anual coberta por neve. Onis de Brar era uma antiquíssima aldeia, mais antiga que a inicio da que pôs fim à Velha Era.

Era uma aldeia de pastores e local de passagem. Eram várias as suas tabernas, casas de repasto e residenciais que faziam com que se tornasse num local de raros encontros e momentos verdadeiramente inesperados.

A mim e Mizegui juntaram-se Fern e Nure. Fomos jantar a uma das muitas casas de repasto de Onis de Brar. Esta mesmo em frente a um pequeno riacho que desaguava no Rio Dorei. Estava uma noite de tempestade. No prato tínhamos um enorme bife de bisonte dos Prados de Brar. Mizegui, de acordo com os seus princípios naturalistas, ficou-se por uma salada de urze.

Pessoas entravam e saiam, mas uma captou a nossa atenção. No meio da multidão, sozinha numa das mesas, completamente ensopada, de cabelos ruivos e ar desgastado descansava uma mulher que ao seu lado guardava o seu arco e flechas. Mesmo não sendo uma arma fora de uso, nunca tínhamos visto uma guerreira de arco e flechas.

Continuamos a nossa refeição. Alguns momentos após a desconhecida levantou-se, colocou a sua capa e capuz, levantou o seu arco e flechas e dirigia-se para a saída quando se virou na nossa direção e caminhou até nós. Mizegui estava de costas e não reparou no momento. Esta colocou a mão sobre o seu ombro e chamou pelo seu nome:
- Mestre Takasugui? O que o faz parar por terras de Brar? - perguntou a forasteira.

Takasugui era o nome de família de Mizegui. Era raro ouvir alguém chamá-lo por aquele nome. Mas apesar do questionamento direto, Mizegui nem pestanejou, continuou a sua refeição.
Percebendo que Mizegui não queria ser perturbado e que aquela presença o incomodava intervi:
- Forasteira, deve estar enganada, nesta mesa não para ninguém com esse nome. - respondi.
- Devo-me ter enganado, perdoem-me senhores. Sigo então o meu caminho. Fiquem bem. - respondeu a forasteira saindo de seguida.
- Mizegui, a forasteira conhecia-te. Porque não  respondeste? Perguntei.
- Aquela era Poesis, companheira de caminho. Fomos ambos aprendizes de Ant Elael no Templo das Lágrimas de Sangue. Foi o meu ponto fraco durante muito tempo. - respondeu
- O teu ponto fraco? Como assim? - questionou Fern.
- Ant Elael recomendava que durante o treino no concentrássemos nas nossas tarefas e não deixássemos que relacionamentos paralelos nos demovessem da nossa missão. Com Poesis não foi possível. Durante algum tempo ainda conseguimos, mas foi inevitável o corte para o bem de ambos. Pelo menos eu achei que foi para o bem de ambos. Quando terminamos o treino e passamos a Mestres, pensava que estávamos preparados para recomeçar e assim o fizemos. A relação nunca foi pacífica, mas raramente discutíamos. Tínhamos demasiado treino para nos deixarmos levar por caminhos fáceis como o ciúme, a mentira ou discussões inúteis. Nessas alturas o silêncio vencia sempre. Quando reparamos estávamos a viver uma relação de treino e menos uma relação de duas pessoas que se queriam e que tinham escolhido o mesmo caminho de descoberta e partilha comum. A relação tinha-se tornado numa arena de bons momentos, eficácia e harmonia para a missão. Sem querer confundimos a nossa missão com a nossa relação. Depois nunca nenhum foi capaz de admitir onde realmente estava mal. Na realidade, nunca tivemos dúvidas que gostávamos um do outro, mas estávamos demasiado cegos pelo treino de cada um que nos limitamos a adaptar aos défices que cada um permitia que o outro preenchesse. Há detalhes que podem distorcer tudo e este foi um deles. Para mal dos meus pecados, durou uma vida inteira... - respondeu com um ar de tristeza como nunca havíamos visto nele.

Fern, o mais velho e vivido de todos nós, que já se havia casado por duas vezes surpreendeu-nos com as suas palavras:
- Há detalhes que distorcem tudo... no final importa perceber é se são, realmente, apenas detalhes?

8.22.2017

Aprender a estar... - Diários das Terras de Cavaleiros - Parte III






Pela manhã, eu e Mizegui partimos rumo à fortaleza mais importante de Brar, Langalan. Imponente e muito bem situada bem no centro da cidadela de Brar, era aí que todos os Mestres Aprendizes trocavam armas e pediam a sábios ferreiros e armeiros que corrigissem ou arranjassem as suas armas e adereços de combate. Ao mesmo tempo era um refúgio para treino militar. 

Nessa manhã revimos Nure, Mestre Aprendiz da Noite Continua. Nure era um Mestre de grande experiência nas artes de regeneração e havia dedicado a sua vida à região de Vimian. Embora viajasse muito, voltava sempre a Vimian e ao seu grupo de Aprendizes. Por outro lado tinha feito um voto de pobreza, vivia apenas com o que era estritamente necessário. Tudo o que não precisasse devolvia à natureza ou partilhava com os seus. A juntar a isto era conhecido por ser um sonhador de projetos adiados, um saudável desorganizado de temperamento refinado e algo preguiçoso.

Cumprimenta-mo-nos respeitosamente e rapidamente nos perdemos em memórias e momentos menos sérios que nos fizeram sorrir e corar. Todos estávamos ali para rever as nossas armas e deixar que os nossos armeiros de confiança pudessem verificá-las e, se assim fosse, melhorar a sua precisão e pontos de segurança.

Nessa tarde, eu e Mizegui íamos para as margens do selvagem rio Dorei treinar nos seus imensos desfiladeiros e convidamos Nure a vir connosco e a pernoitar por lá na nossa companhia. Há muito que não estávamos juntos e seria mais uma forma de passar um bom bocado enquanto nos ajudávamos mutuamente no treino de cada um.

Já por Dorei, num dos seus penhascos mais íngremes, aventura-mo-nos num mergulho vertiginoso de mais de 200 metros rumos às suas aguas indomáveis. Primeiro fui eu, seguiu-se Mizegui e Nure, ao contrário do que esperávamos, decidiu ficar-se pelo topo do penhasco e fitar-nos. Com muito esforço iniciamos a insana escalada até ao topo do penhasco onde Nure nos esperava:
- Que se passou amigo, não te queres molhar? - perguntei em tom de provocação.
- Fica para mais tarde. Esta não era a minha hora. - respondeu Nure.
Respeitei o seu espaço e deixei-o ir. Nure retirou-se e amavelmente cozinhou para os três. Há noite, à volta da fogueira, confortavelmente fortalecidos por um poderoso repasto de javali confecionado por Nure, Mizegui voltou a perguntar:
- Há momentos em que não te compreendo Nure. Vieste connosco para treinar e no momento da verdade ficas-te-te pelo chão firme.
- Não me entendas mal amigo, apenas não o quis fazer. Se porventura acordar na disposição de o querer então o falo-ei. - retorquiu Nure.
- Por vezes acho que subestimas o teu poder. Cedo, todos aprendemos que não podemos ter medo do nosso poder, é ele que nos faz. Ter dúvidas, medos, muito bem. Mas não avançar!!.... Sei bem que não é isso. Acredito mesmo que às vezes é só a tua preguiça. - insistiu Mizegui
- É bom saber que me conheces Mizegui. Pode até ser a minha preguiça, posso até estar com medo, pode ser só que não queira. Concordando ou não amigo, este é o meu ritmo. Há muito que aceitei os meus poderes e os meus defeitos. É com eles que continuarei caminho. Hoje, apenas pretendia estar convosco, foi isso que me trouxe aqui. Foi o poder da relação e não o poder do treino. Hoje escolheste treinar e eu escolhi estar. Nenhum de nós está errado, apenas escolhemos papeis diferentes.
Sem ponta por onde discordar, Mizegui ficou sem argumentos para Nure. A noite continuou e no fim acabamos todos por apenas estar. Foi nesse momento que me lembrei do ensinamento de Mestra Caelum, que o treino, embora nunca pare, também se faz a estar. Ela dizia: "Só aprendemos a não ter medo do nosso poder quando aprendemos a estar com o outro e com o seu poder, dando origem a um poder novo. Nessa altura aprendeste a estar contigo..."

8.21.2017

As velhas que são novas histórias.... Diários das Terras de Cavaleiros II




Ainda pelos planaltos das Terras de Cavaleiros, eu e Mizegui tiramos um dia para visitar um velho Ermita de Brar, Fern Brama.

Fern era um viajante de sempre. Em tempos a sua missão havia sido ser mensageiro da Ordem dos Cavaleiros do Poder, levando as mensagens de povoação em povoação, dando a conhecer ao todo o que só a alguns era permitido.

Encontra-mo-nos à entrada da gruta onde habitava Fern, bem no sopé de uma das muitas montanhas de Brar, muitos vales abaixo da Fortaleza de Algor e com uma paisagem deslumbrante. Mesmo à frente da gruta erguiam-se as Lagoa de Azis, um imenso espelho azul polvilhado de pequenas ilhas onde habitavam outros Ermitas que também haviam tido responsabilidades na Ordem dos Cavaleiros do Poder.

Fern preparou-nos Javali. Mizegui ainda resistiu devido às suas  fortes convicções sobre o balanço e equilíbrio com Gaia, a Mãe de tudo o que é natural e puro, mas acabou por ceder. Já havia provado javali mas aquele estava estranhamente bem cozinhado e apetitoso.

Há volta da fogueira as conversas fizeram com que perdêssemos a hora até que Fern voltou a falar sobre os seus filhos e a distância a que ambos se haviam votado, por força das escolhas de vida que ambos haviam feito:
- Lamento não ter estado mais presente na vida dos meus filhos. A vida de mensageiro deu-me quase tudo, mas tirou-me quase tudo. Hoje sobram-me as minhas orações, as minhas meditações e os amigos de sempre.- refletia Fern
- Não sei o que é ser pai, nobre Fern, mas sei o que é ser filho. A partir do momento em que nos conhecemos em consciência e que a infância passa a ser apenas um estado de espírito a responsabilidade deixa de ser uma via de um sentido, passa a ser um caminho percorrido por ambos os sentido. Neste momento, a quem assenta a maior responsabilidade? - questionei-o
- Não se trata de responsabilidade meu amigo. Trata-se das barreiras e muros invisíveis que ergues dentro do teu coração. Há dias em que passamos uns pelos outros e fingimos que nem nos conhecemos. Ficamos há espera do milagre do discernimento e que algum de nós tome a iniciativa. Chega a uma altura em que parece que o universo escolhe por nós e que o muro invisível chega parecer real. - respondeu com voz perturbada.
- Não te quero por em causa, mas o que diz o teu coração? - voltei a questionar.
- Já nem sei bem. Já fui atrás da nossa relação, voltei a tentar ligar o que somos, mas pura e simplesmente eles não deixam que chegue até eles. Já não consigo ler de quem é a responsabilidade. - lamentava-se.
- Somos finitos e limitados e não temos de ter coração e sabedoria para todos os desafios que nos são colocados. Isso não significa que não continuemos de coração aberto. Fern, a história diz-nos que da maldição mais rebuscada pode vir a maior das bênçãos. Da inimizade mais estranha pode vir o maior dos aliados, do caos poderá nascer a solução nunca sonhada. Volta ao treino, mantém os sentidos alerta e deixa o teu coração continuar falar...